Me chamo Ivy White, tenho 26 anos, loira, corpo magrinho e com seios fartos. Há alguns meses, por incentivo do meu marido, eu descobri uma nova profissão, na qual me descobri e estou me realizando. Agora eu sou uma camgirl, uma espécie de stripper virtual que atende clientes na internet.
Um dia desses eu, como de costume, estava on-line toda meladinha, excitada, esperando um macho gostoso que apagasse (ou acendesse ainda mais) o meu fogo. Geralmente quando estou em chat livre fico imaginando as putarias gostosas que tenho vontade de fazer, e minhas expressões de tesão começam a transparecer, principalmente através de minha boca carnuda que não consegue ficar sem dar mordidinhas provocantes.

E foi por minhas “caras e bocas” de tesão que o usuário BG (sigla de seu nick) me chamou no chat e começamos a conversar. Ele me disse que já estava há algum tempo me espiando e não resistiu a tamanha provocação. Então ele começou a me falar dos seus fetiches e suas fantasias. Nesse ponto minha bucetinha já estava encharcada, escorrendo melzinho.
Ele tinha um jeito misterioso, uma mistura de romântico com dominador, o que me deixava cada vez mais excitada, e aos poucos a conversa foi ficando mais apimentada, e eu comecei a tocar meu corpo. Já estava com a pepeca pulsando de vontade de dar, entretanto ele me disse que, na verdade, o que ele gostava mesmo era de brincar com o cuzinho. Senti um arrepio percorrer minha espinha, aquele gelinho gostoso de adrenalina, afinal, adoro pôr meus “brinquedinhos” no cuzinho, o tesão é em dobro.

Leia também:  Contos eróticos: Assisti minha esposa com outro

Foi quando, para minha surpresa, ele revelou que sua vontade era pôr coisas “diferentes” no meu rabinho apertadinho. Eu, já louca de tesão, aceitei na hora.
Perguntou-me o que eu tinha além de “brinquedos” que pudesse meter sem dó, meter com gosto mesmo. Então fui procurar algum objeto para começar a brincadeira. Achei a maleta de ferramentas do meu marido e logo pensei que ali deveria ter algo interessante para eu socar no meu buraquinho. Abri e a primeira coisa que vi foi uma marreta, o que fez meu cuzinho piscar, de tesão e de medo. Pois fiquei na dúvida se meu rabinho aguentaria aquele cabo grosso, nunca tinha colocado nada tão bruto na minha bundinha.

Pus a camisinha e primeiro fiz um boquete bem babadinho naquela ferramenta grossa e dura, parecia um cacete enorme, tal qual nunca havia experimentado.
Quando o tesão já estava incontrolável posicionei aquele cabo na portinha do meu cuzinho, que se oferecia languidamente àquele mastro rígido. Comecei a rebolar devagar, e aos poucos, meu buraquinho foi relaxando, aceitando sem resistência o objeto dentro de mim. Fechei os olhos e comecei a delirar, podia imaginar que era uma rola enorme a devorar meu cuzinho apertadinho. Eu gemia como uma vadia, uma puta descontrolada. Enquanto o BG ia dando ordens à sua cadelinha obediente.

O tesão era tanto que minha buceta escorria, mandando melzinho lá para minha bundinha, que ficava ainda mais lubrificada, fazendo a marreta deslizar cada vez mais fundo.
Soquei aquele cabo sem dó, arregaçando meu rabinho por quase uma hora.
Tive um orgasmo intenso, uma sensação que nunca havia sentido.
Gozei gostoso demais com esse usuário, que me fez descobrir vontades e desejos que nem eu sabia que tinha.

Leia também:  Contos eróticos: Transei com o amigo de meu marido

Enviado por: casalwhite07

Quer ver seu Conto Erótico Real publicado na Revista Sexlog?
CLIQUE AQUI E ENVIE SUA HISTÓRIA PICANTE

Se você gostou deste Conto Grátis, comente aí…