Afinal, o que é swing? Aqui respondemos 5 dúvidas frequentes sobre essa prática que tem se tornado cada vez mais popular no universo adulto:

  1. Ao praticar swing estou traindo minha mulher (ou meu marido)?
    A decisão de ir a uma boate liberal deve ser tomada depois de boas conversas, em comum acordo pelo casal. Os pontos devem ficar muito claros para os dois curtirem o momento de forma mais prazerosa. É normal que um casal iniciante fique confuso depois das primeiras experiências, por isso vale a pena ir com calma, conversando bastante e sentindo como a outra pessoa se sente. Dessa forma, realizar fantasias sexuais pessoais e do casal com outras pessoas não é considerada traição entre os praticantes de swing.
  2. Eu posso contratar um/a acompanhante para ir a uma casa de swing?
    Não, essa é um das códigos de etiqueta comuns a esse tipo de balada. “Casais armados” não são bem-vindos, porque o grande lance é realizar as fantasias sexuais do casal. Pessoas desacompanhadas eventualmente também podem entrar nos clubes, dependendo da regra do local. Para as baladas, os preços variam de acordo com a casa, mas de maneira geral, homens desacompanhados pagam muito mais que o dobro que o casal e mulheres, um valor bem abaixo. Mas a prática do swing não tem a ver com prostituição, então vale pensar uma outra alternativa!
  3. Praticar swing pode salvar meu casamento?
    Para curtir uma noite numa boate liberal, é importante estar com tudo muito bem resolvido com o seu parceiro para evitar os famosos climões, crise de ciúmes e inseguranças. Por isso, se a relação não está boa, é melhor esperar um pouco para se aventurar nesse tipo de noitada. Mas todos sabem que uma pimenta a mais no relacionamento pode reaquecer aquele casamento que está precisando de um pouco de vida, então conversar com seu parceiro sobre sua vontade de experimentar uma suruba pode ser bem interessante.
  4. Ao entrar na balada, as pessoas vão me abordar diretamente querendo sexo?
    A primeira impressão ao entrar numa balada liberal é muito parecida a uma balada normal. Pessoas dançando e bebendo, música alta e clima de paquera no ar. Eventuais pole dances podem estar rolando, mas até aí nada novo e ninguém te agarrando ou chamando para o sexo. Até que os primeiros contatos acontecem e desde que você queira, o clima pode esquentar e você tem disponível corredores, salas e até dark room para curtir.
  5. Preciso necessariamente trocar de parceiro?
    Não necessariamente. No swing você pode escolher essa noite para conhecer o lugar, observar a dinâmica das coisas, ver as pessoas e até praticar voyeurismo. Fique tranquilo, porque ninguém vai te obrigar a nada.

Tem mais pessoas conversando sobre Swing no canal do Sexlog-Tv no youtube.