O pegging nada mais é do que o sexo anal entre um casal heterossexual, com uma “pequena” diferença: aqui rola a inversão de papéis. Em outras palavras, é a mulher que penetra o homem com a ajuda de um dildo acoplado à sua cintura, conhecido como strap-on.

A primeira reação a essa prática pode ser de estranhamento seguida daquela pergunta: “Mas o cara é gay, então?” Nada disso! Saiba que muitos homens heterossexuais sentem prazer na região anal – talvez sintam-se envergonhados de admitir, apenas.

A sexualidade humana é muito mais complexa do que simplesmente preferir um pênis ou uma vagina. Vale lembrar também que a homossexualidade vai muito além de gostar de ser estimulado nessa região – muitos gays, aliás, não gostam de ser penetrados, e isso não faz deles “menos gays”.

Para as mulheres, a experiência do pegging pode ser divertida justamente pela mudança de quem exerce o papel de dominador no ato. Sentir-se no controle é o segredo para o prazer feminino aqui! É possível encontrar também alguns dildos duplos – um extremo para o ânus do parceiro e outro para a vagina – e até alguns que acoplam um vibrador para estimular a mulher.

Vale a pena investir num bom material, e “bom” quer dizer uma coisa só: a regra básica é encontrar aquele que proporciona maior prazer e conforto para o casal! Você pode encontrar um cinto que já contém o dildo ou adquirir os dois separadamente. Há muitos materiais disponíveis: silicone, látex, plástico, “jelly”… Do mesmo modo, experimentem até encontrar um lubrificante ideal.

O segredo do sucesso aqui – como em toda prática sexual que envolve duas ou mais pessoas – é que os envolvidos mantenham uma conversa franca e aberta sobre a prática. Há algo que aflige o parceiro? Talvez valha mais a pena começar com um fio terra básico? Não deixe uma questão facilmente contornável virar um problemão.