Em uma sociedade em que o tempo parece ser cada vez mais escasso, não surpreende que o sexo também sofra com a tendência de querer fazer tudo o mais rápido possível. De duas, uma: ou os parceiros realizam o ato às pressas, sem obter um prazer extraordinário nele, ou até deixam “para depois”, num depois que nunca chega. É exatamente para combater essas atitudes que uma nova prática sexual começa a ganhar adeptos: o slow sex.

Como o próprio nome diz, a ideia é fazer “sexo lento”, com mais atenção aos movimentos e, principalmente, à conexão entre o casal. Aqui, o orgasmo e mesmo a penetração não são os focos. É uma maneira de sair do óbvio e pode ser especialmente benéfica para relações que já duram algum tempo, já que nelas o sexo tende a uma padronização ao longo dos anos – quando você já sabe o que o parceiro gosta, fica mais fácil e prático apenas repetir a mesma fórmula e não explorar novas possibilidades.

A experiência pode ser muito positiva para mulheres, já que há uma grande atenção para as preliminares, que contribuem muito para o orgasmo feminino. Para os homens que sofrem de ejaculação precoce, o treino pode ajudar também. Se você se interessou pela novidade, veja algumas dicas para começar a praticar!

1. Prepare o ambiente

Sim, afinal, vocês vão passar um bom tempo nele. Não precisa pintar as paredes com uma nova cor, mas que tal afastar alguns móveis e colocar o colchão na sala de estar? Ou ainda investir em uma iluminação com velas e em algumas fragrâncias para o recinto?

2. Não tenha pressa

Para muita gente o objetivo principal do sexo é o orgasmo, mas não foque apenas nisso. Aliás, no slow sex, o gran finale deve ser retardado, para que cada momento conte mais. Se não é nessa vibe que você está, melhor até deixar para outro dia, ou ler nossas dicas sobre rapidinha.

3. Esteja presente

Como você pode dar o máximo de si se ficar pensando na louça que tem para lavar, na reunião do dia seguinte ou na morte da bezerra? Mande esses pensamentos todos para bem longe e mantenha sua atenção no seu prazer e no do parceiro.

4. Seja um explorador

Não hesite em provar as reações tanto do parceiro quanto as suas com novos estímulos e movimentos. Claro, é melhor combinar os mais drásticos antes de fazê-los, mas estimule a criatividade com carícias, mordidas e o que a imaginação mandar.

5. Valorize as preliminares

Nada de ir tirando a roupa e partindo logo para a ação! Que tal trocar algumas carícias com os olhos vendados? Ou até arriscar um strip-tease para animar o parceiro, mas sem permitir que ele o toque? Ou ainda arriscar naquela massagem erótica quando o clima esquentar mais?

6. Seja engenhoso

Há uma diversidade de sex toys disponíveis por aí. A ideia é estimular os sentidos com eles, e não só nas zonas erógenas mais conhecidas, como o clitóris, a glande ou o períneo. Ao trazer uma novidade para a cama, a tendência é que os parceiros “percam” bastante tempo explorando suas possibilidades.

7. Não tenha vergonha

Ficar tímido na hora do vamo-ver é que nem ganhar um passe livre para todo o parque de diversões e ficar só em uma montanha-russa. Vença a vergonha, volte ao ponto 4 dessa lista e deixe que tudo flua melhor!

8. Estabeleça suas próprias regras

Tenha sempre em mente o seguinte: não há um jeito “certo” de fazer slow sex. Se o casal está curtindo e está realmente empenhado e concentrado apenas no ato sexual e no prazer que está sentindo, não tem como errar!